Dieta à base de vegetais e sua relação com as doenças cardiovasculares

0
154

As doenças cardiovasculares são a primeira causa de mortalidade no Brasil e também no mundo. Tal fato caminha em conjunto com evidências que mostram que a população está vivendo mais, porém com uma carga maior de doenças crônicas, principalmente aquelas que são fatores de risco para o desenvolvimento de eventos coronarianos, como as alterações nos níveis de colesterol (dislipidemia). Dessa forma, é essencial adotar medidas de prevenção para reduzir esses riscos, e uma delas merece destaque por englobar um conjunto de mudanças: a Medicina do Estilo de Vida (MEV).


Atividade física, controle de vícios, manejo do estresse e uma alimentação mais rica em frutas e vegetais são alguns dos pilares da Medicina do Estilo de Vida, que comprovadamente demonstram ser eficientes para aumentar a imunidade, bem-estar e a longevidade. Mas será que algumas dessas medidas influenciam também na saúde cardiovascular?

É sobre isso que se propôs analisar um artigo publicado em 2019 pela prestigiada revista Circulation. Na pesquisa, os autores discutem os benefícios cardiometabólicos da adoção de dietas à base de plantas e, para isso, analisaram dados de 12.168 adultos de meia-idade do estudo ARIC (Atherosclerosis Risk in Communities) que foram acompanhados de 1987 a 2016.

A dieta dos participantes foi classificada em 4 índices: índice geral de dieta baseada em vegetais; índice de dieta baseada em vegetais saudáveis; índice de dieta baseada em vegetais menos saudáveis; e índice de dieta provegetariana (preferência por alimentos vegetais).

Para a análise, foram usados modelos de riscos proporcionais de Cox, e os resultados mostraram que os participantes com maior adesão a um índice de dieta baseada em vegetais saudáveis ​​foi associada a um risco 19% e 11% menor de mortalidade por doença cardiovascular e mortalidade por todas as causas, respectivamente.

Indivíduos com pontuações mais altas no teste foram os com maior ingestão de frutas, vegetais, fibras, gorduras poliinsaturadas e muitos micronutrientes, e menor ingestão de carne vermelha e processada e gordura saturada. Todas essas características podem contribuir para um menor risco de doença cardiovascular, reduzindo a pressão arterial e o colesterol de lipoproteína de baixa densidade. Além disso, contribui para a diminuição da inflamação e melhora do controle glicêmico.

Em resumo, o estudo enfatiza que:

  • Dietas baseadas em vegetais e dietas que enfatizam a ingestão maior de alimentos vegetais e ingestão menor de alimentos de origem animal, estão associadas a um menor risco de doença cardiovascular incidente, mortalidade por doença cardiovascular e mortalidade por todas as causas na população adulta geral dos Estados Unidos.
  • Dietas saudáveis ​​baseadas em vegetais e dietas ricas em alimentos vegetais densos em nutrientes e pobres em carboidratos refinados e alimentos de origem animal estão associadas a um menor risco de mortalidade por doenças cardiovasculares e mortalidade por todas as causas.

Portanto, mais uma vez, reforça-se a tese de que os padrões dietéticos que são relativamente mais elevados em alimentos vegetais e mais baixos em alimentos de origem animal podem conferir benefícios para a saúde cardiovascular e para a saúde geral da população!

Referência bibliográfica
KIM, H.; CAULFIELD, L. E.; LARSEN-GARCIA, V.; STEFFEN, L. M.; CORESH.; REBHOLZ, C. M. Plant‐Based Diets Are Associated With a Lower Risk of Incident Cardiovascular Disease, Cardiovascular Disease Mortality, and All‐Cause Mortality in a General Population of Middle‐Aged Adults. Journal of the American Heart Association. August 20, Vol 8, Issue 16, 2019.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, digite seu nome